Depredando o Orelhão

A IMPOSIÇÃO DO MODELO AMERICANO E SEUS EFEITOS 
por PIERRE BORDIEU (1930-2002) 
 in: “Contrafogos 2” (Ed. Jorge Zahar)"As políticas econômicas aplicadas em todos os países da Europa, e que as grandes instâncias internacionais - Banco Mundial, OMC e FMI - impõe por toda a parte no mundo, invocam a autoridade da ciência econômica. De fato, elas se baseiam em um conjunto de pressupostos ético-políticos inscritos em uma tradição histórica particular, encarnada atualmente pelos Estados Unidos da América. (…) A economia que o discurso neoliberal constitui como modelo deve um certo número de suas características, pretensamente universais, ao fato de que está incrustada em uma sociedade particular.
Não se pode criticar esse modelo [neoliberal] sem criticar os Estados Unidos, que são sua forma prototípica, paradigmática… [Os EUA é uma] sociedade paradoxal que, muito avançada econômica e cientificamente, é bastante atrasada social e politicamente. Mencionaria, entre outros indícios, um conjunto de fatos convergentes: O MONOPÓLIO DA VIOLÊNCIA FÍSICA é muito mal gerido em razão da ampla difusão de armas de fogo: a existência de um lobby dos defensores do direito a possuir armas, a National Rifle Association - NRA - assim como o contingente de detentores de armas de fogo - 70 milhões - e de mortos a bala - 30.000 por ano em média - são indícios de uma tolerância instituída da violência privada sem equivalente nos países avançados.O Estado desertou de qualquer função econômica, vendendo as empresas que possuía, CONVERTENDO BENS PÚBLICOS como a saúde, a habitação, a segurança, a educação e a cultura (livros, filmes, televisão e rádio) em BENS COMERCIAIS, E OS USUÁRIOS EM CLIENTES, renunciando a seu poder de fazer a desigualdade recuar (ela tende a crescer de maneira descontrolada).Tudo isso em nome da velha tradição liberal de SELF HELP (herdada da crença calvinista de que Deus ajuda aqueles que ajudam a si próprios) e da exaltação conservadora da responsabilidade individual - que leva por exemplo a imputar o desemprego ou o fracasso econômico em primeiro lugar aos próprios indivíduos, e não à ordem social. Através da noção equívoca de EMPLOYABILITY, exige de cada agente individual, como observa Franz Schultheis, que se coloque ele próprio no mercado, fazendo-se de certa maneira empresário de si mesmo, tratado como capital humano, o que tem como consequência redobrar, por uma espécie de culpa, a miséria daqueles rejeitados pelo mercado…O culto do indivíduo e do “individualismo”, fundamento de todo o pensamento econômico neoliberal… não quer e não pode conhecer senão as ações ciente e conscientemente calculadas de agentes isolados, visandos fins individuais e egoístas. Quanto às ações coletivas, como as organizadas pelas instâncias de representação (partidos, sindicatos ou associações), e também pelo Estado, instância encarregada de elaborar e impor a consciência e a vontade coletivas e de contribuir para favorecer o fortalecimento da solidariedade, [a doutrina neoliberal] tende a reduzi-las a simples agregações de ações individuais isoladas. Ao fazer isso, ela exclui de fato a política, reduzida a uma soma de atos individuais que, realizados, como o voto, no isolamento e no segredo da cabine, são o equivalente exato do ato solitário da compra em um supermercado.”PIERRE BORDIEU (1930-2002), sociólogo francês, em "Contrafogos 2" (Ed. Jorge Zahar)Leia o DOSSIÊ da REVISTA CULT completo

A IMPOSIÇÃO DO MODELO AMERICANO E SEUS EFEITOS 

por PIERRE BORDIEU (1930-2002)

 in: “Contrafogos 2” (Ed. Jorge Zahar)

"As políticas econômicas aplicadas em todos os países da Europa, e que as grandes instâncias internacionais - Banco Mundial, OMC e FMI - impõe por toda a parte no mundo, invocam a autoridade da ciência econômica. De fato, elas se baseiam em um conjunto de pressupostos ético-políticos inscritos em uma tradição histórica particular, encarnada atualmente pelos Estados Unidos da América. (…) A economia que o discurso neoliberal constitui como modelo deve um certo número de suas características, pretensamente universais, ao fato de que está incrustada em uma sociedade particular.


Não se pode criticar esse modelo [neoliberal] sem criticar os Estados Unidos, que são sua forma prototípica, paradigmática… [Os EUA é uma] sociedade paradoxal que, muito avançada econômica e cientificamente, é bastante atrasada social e politicamente. Mencionaria, entre outros indícios, um conjunto de fatos convergentes: 

O MONOPÓLIO DA VIOLÊNCIA FÍSICA é muito mal gerido em razão da ampla difusão de armas de fogo: a existência de um lobby dos defensores do direito a possuir armas, a National Rifle Association - NRA - assim como o contingente de detentores de armas de fogo - 70 milhões - e de mortos a bala - 30.000 por ano em média - são indícios de uma tolerância instituída da violência privada sem equivalente nos países avançados.

O Estado desertou de qualquer função econômica, vendendo as empresas que possuía, CONVERTENDO BENS PÚBLICOS como a saúde, a habitação, a segurança, a educação e a cultura (livros, filmes, televisão e rádio) em BENS COMERCIAIS, E OS USUÁRIOS EM CLIENTES, renunciando a seu poder de fazer a desigualdade recuar (ela tende a crescer de maneira descontrolada).

Tudo isso em nome da velha tradição liberal de SELF HELP (herdada da crença calvinista de que Deus ajuda aqueles que ajudam a si próprios) e da exaltação conservadora da responsabilidade individual - que leva por exemplo a imputar o desemprego ou o fracasso econômico em primeiro lugar aos próprios indivíduos, e não à ordem social. Através da noção equívoca de EMPLOYABILITY, exige de cada agente individual, como observa Franz Schultheis, que se coloque ele próprio no mercado, fazendo-se de certa maneira empresário de si mesmo, tratado como capital humano, o que tem como consequência redobrar, por uma espécie de culpa, a miséria daqueles rejeitados pelo mercado…

O culto do indivíduo e do “individualismo”, fundamento de todo o pensamento econômico neoliberal… não quer e não pode conhecer senão as ações ciente e conscientemente calculadas de agentes isolados, visandos fins individuais e egoístas. Quanto às ações coletivas, como as organizadas pelas instâncias de representação (partidos, sindicatos ou associações), e também pelo Estado, instância encarregada de elaborar e impor a consciência e a vontade coletivas e de contribuir para favorecer o fortalecimento da solidariedade, [a doutrina neoliberal] tende a reduzi-las a simples agregações de ações individuais isoladas. Ao fazer isso, ela exclui de fato a política, reduzida a uma soma de atos individuais que, realizados, como o voto, no isolamento e no segredo da cabine, são o equivalente exato do ato solitário da compra em um supermercado.”

PIERRE BORDIEU (1930-2002), 
sociólogo francês, 
em "Contrafogos 2" (Ed. Jorge Zahar)

Leia o DOSSIÊ da REVISTA CULT completo
  1. areashape reblogou isto de pereirademagalhaesarquitectura
  2. pereirademagalhaesarquitectura reblogou isto de depredando
  3. amigogiba reblogou isto de depredando
  4. a-r-o-u-s-e-d reblogou isto de depredando
  5. depredando publicou isto
Comentários do blogue desenvolvidos por Disqus